Fernando Pessoa : Agradecimentos

6 Fevereiro 2009 at 2:15 pm (Eventos, Notícias) (, , , , )

 

Um Olhar... de Joaquim Carvalho

"Um Olhar..." de Joaquim Carvalho

Levar o Universo de Pessoa ao Second Life® foi um grande desafio.   Dar a conhecer uma das grandes obras do Poeta, assim como um Olhar artistístico sobre a sua mensagem por parte do Pintor Joaquim Carvalho, divulgar talentos como de Hugo Almeida, Rui Diniz e Luís Gaspar…  foi um grande esforço mas que valeu a pena.

 

E que ainda não acabou. Como podem ver nos posts abaixo, amanhã à tarde  os dois mundos,  real e virtual cruzam-se de novo. A sobrinha do Poeta, também ela poetisa,  vai estar amanhã a tarde no Second Life e na Biblioteca de S. Domingos de Rana,  para um conferência única e bilingue sobre a vida e obra do escritor.  Para que todos possamos ouvir falar das suas vidas e ter a oportunidade de fazer as perguntas há muito imaginadas.

Mas este post serve sobretudo para agradecer a todos aqueles que nos têm ajudado ao longo deste mês dedicado a Fernando Pessoa. Foram muitos, e deixamos para o final da exposição o Balanço Final e todos os .

Mas para provar que a blogsfera é também uma das melhores formas de comunicação e divulgação dos nossos talentos por vezes escondidos (afinal até Pessoa foi “redescoberto” por muitos após a sua morte) começamos por agradecer à rede de blogs e sites que apostaram na divulgação destes nossos eventos.

A todos… o nosso Muito Obrigado por apoiarem a arte e cultura portuguesas:

 

CM Cascais

CM Cascais

Anúncios

Permalink 3 comentários

“FERNANDO PESSOA – O TIO E O POETA”

6 Fevereiro 2009 at 4:24 am (Eventos) (, , , )

“No fim da estrada há uma encruzilhada tremenda.
O passado é um caleidoscópio de interrogações,
o presente, o restrito momento de um pensamento,
o futuro, uma nódoa onde o sangue se transmuda
se volatiliza e sobe ao céu em frágil renda.
Todo o axioma entrou em coma.
A lei agora é escapar, sobreviver.
O casamento deu-se, sem boda.
Faz-se amor como se clica o computador,
só tem fascínio o proibido.

O plantel actua no estádio vibrante,
a banda electriza de gestos e metais.
Esquecem-se os mortos da estrada
das guerras, epidemias, fomes.
Abre-se meia porta ao emigrante
que rasteja pela fresta errada.
Já não há encruzilhada nenhuma
nem pensamento a considerar
nem sentimento de culpa a arder
nem projecto a aquecer
nem raiva a crescer em amor.
Há sim a pressa de viver
num mundo que se dissolve em bruma.”

“Manuela Nogueira é escritora e poetisa. É também sobrinha de Fernando Pessoa. Nasceu na Rua Coelho da Rocha, onde está instalada hoje a Casa Fernando Pessoa e conviveu intimamente com o poeta até à data da sua morte. Na sua memória de infância guarda a imagem de um tio gentil, alegre e brincalhão. Só muito mais tarde se apercebeu de que se tratava também de um dos maiores poetas portugueses.

A vida é como é. Mas Manuela Nogueira às vezes dá por si a pensar como é que teria sido a sua vida se o destino não lhe tivesse dado um tio chamado Fernando Pessoa. “Tinha sido uma vida muito diferente. Nem melhor, nem pior, diferente”. Se calhar não teria arriscado lançar o seu primeiro livro de poesia só agora, no Outono da vida. “A comparação era sempre inevitável, mas agora não me preocupo tanto com isso. É uma das coisas boas da idade”, diz a sorrir. É que Manuela Nogueira é escritora e poetiza. O seu livro, “Ritual sem palco” foi lançado há pouco mais de três meses. Quem o leu gostou mas Manuela Nogueira tem pena que a crítica pura e simplesmente o tenha ignorado. “Como não sou do meio, não pertenço a nenhuma capelinha…”
Fala sem rancor mas com a certeza de que o mundo editorial português vive dias muito confusos. Mesmo assim não desiste. Os livros e a leitura são a sua paixão. Colaborou em jornais, escreveu obras infantis e livros para adultos, participou num sem fim de encontros, palestras e sessões de promoção e incentivo à leitura em escolas, autarquias e bibliotecas. Como fundadora da Associação Fernando Pessoa correu o País e o mundo convidada a falar do lado mais íntimo do poeta. “Posso dizer que o facto de ser sobrinha de Fernando Pessoa me proporcionou uma vida muito rica, pois conheci e convivi com gente maravilhosa de toda a parte do mundo”. (source)

E esta senhora, poeta sobrinha de poetas vai juntar-se a nós num mundo virtual para falar sobre aquilo que todos querem ouvir: como foi viver com um dos melhores poetas de sempre da literatura portuguesa. Vai ser no próximo sábado, dia 7 de Fevereiro, às 15h, na ilha Babel Project II, here. Quem preferir pode sempre ouvi-la pessoalmente, na Biblioteca de S. Domingos de Rana, em Cascais, no mesmo dia, à mesma hora. E como não podia deixar de ser…seja na vida real ou virtual, estamos todos convidados.

Manuela Nogueira, poet

Manuela Nogueira, poet

Permalink Deixe um Comentário

Manuela Nogueira, Fernando Pessoa niece, in Second Life

6 Fevereiro 2009 at 3:27 am (EVENT, Eventos, POEM) (, , , , , )

Manuela Nogueira, poet

Manuela Nogueira, poet

Relatively unknown during his lifetime (having published only a single book of poems), Fernando Pessoa (1888-1935) has since been recognized as a literary genius. A national hero in his native Portugal, he developed a style of writing based on the use of “heteronyms,” of which he developed dozens. Following his death, a trunk was discovered containing over 25,000 pages of unpublished material from which this book was culled.” (source)

We cannot talk to him today, but he can come to us. He came to us on Second life’s Halden Beaumont Machinima movie “Pessoa”, his poetry and art based on his poetry. All together on a Second Life® exhibition occurring here.

But that is just a part, and we already noticed that. Next Saturday, Manuela Nogueira, his niece will come to talk to us and show how was living with the poet. She’s an 80 years old lady, also a writer and a poet, but today she will come to us on SL and share her thoughts and stories about her uncle – one of the biggest portuguese poets of all times. Dont miss an unique event on SL. Saturday, 7.30 AM,  here.

Permalink Deixe um Comentário

Falar sobre… “Boa Noite, Sr. Soares”

26 Janeiro 2009 at 1:40 am (EVENT, Eventos) (, , , , , , , )

Vai ser amanhã pelas 22h, na Livraria City Lights em Portucalis. Falar do livro de Mário Cláudio “Boa Noite, Senhor Soares”

“«O meu semi-heterónimo Bernardo Soares aparece sempre que estou cansado ou sonolento, de sorte que tenha um pouco suspensas as qualidades de raciocínio e de inibição; aquela prosa é um constante devaneio. É um semi-heterónimo porque, não sendo a personalidade a minha, é, não diferente da minha, mas uma simples mutilação dela. Sou eu menos o raciocínio e a afectividade.»

Venham conhecer o Sr. Soares e a surpresa que o Ibrahim Bates preparou, amanhã pelas 22 horas em portucalis.

— — — — — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- — —- 

“Mário Cláudio escolheu para personagens alguns nomes que surgem no Livro do Desassossego, e passo a citar: «Se houvesse de inscrever […] a que influências literárias estava grata a formação do meu espírito, abriria o espaço ponteado com o nome de Cesário Verde, mas não o fecharia sem nele inscrever os nomes do patrão Vasques, do guarda-livros Moreira, do Vieira caixeiro de praça e do António moço do escritório.»

Para narrador da história Mário Cláudio escolheu o moço do escritório, António, talvez por ser o mais novo, o mais ingénuo e por isso mais capaz de ser tocado por aquele ser estranho com quem convive à distância no escritório do patrão Vasques.

Em Boa Noite, Senhor Soares recebe um nome completo — António da Silva Felício — e é um jovem acabado de chegar da província, mais precisamente de Escalos de Cima, concelho de Idanha a Nova, para se empregar como aprendiz de caixeiro no escritório de um armazém de venda a retalho da baixa lisboeta, na prosaica Rua dos Douradores, onde o senhor Soares é tradutor.

Com a simplicidade própria de quem nada conhece, António tudo e todos observa com atenção. E limita-se a descrever o que presencia, como se o fizesse quase apenas para si próprio, sem emitir juízos.

Desde o primeiro momento que o rapaz fica preso à figura do Senhor Soares que, segundo diziam os seus colegas, «embora não se distinga de qualquer outro sujeito, a verdade é que deu sempre mostras de ser um bocadinho esquisito»

No escritório todos sabem que escreve e que é poeta, e sem que António compreenda bem porquê, o certo é que goza de um estatuto especial. Incluindo para o patrão Vasques e para o guarda-livros, o senhor Moreira, que teoricamente ocupa o lugar de chefe do tradutor, mas aceita de bom grado a alcunha de Dom Barómetro que o senhor Soares lhe atribuiu devido à constante preocupação do guarda-livros com as condições atmosféricas.

Ao inserir-se no seu pequeno círculo de relações, António relata pormenores da vida de cada um, sobretudo aqueles que se vão tornando motivo de conversa dos outros. E desenrola perante o leitor um tecido urbano pardo, onde tudo remete para uma Lisboa murcha e tristonha, fechada sobre si mesma, onde nada acontece, nada é dramático, nem exaltante. Uma Lisboa onde o tempo não corre e, cito, «o dia seguinte seria de trabalho, igual aos da semana anterior, e da próxima» (p. 31), e em que uma mediocritas nada áurea todos invade. Todos não. Um ser escapa, um ser especial, que suscita a curiosidade do rapaz, por motivos que ele próprio não entende.

E à medida que avançamos na leitura, a fantástica mestria de Mário Cláudio vai-nos permitir (a nós, seus leitores) apreciar o modo como o rapaz se deixa tocar pela personalidade daquele enigmático senhor Soares. O leitor só tem acesso ao discurso interior do rapaz, que revela a sua total candura, a dificuldade em interpretar a sua própria experiência e os sonhos de viagens que não fará.

Gradualmente, a figura do Senhor Soares transforma-se no principal foco da atenção do jovem António e aquele adulto com quem nunca conversa, aquele senhor que só à saída dirige a palavra ao colectivo rapazes do escritório para lhes dar as boas noites, vai ser a figura de referência da sua juventude privada de projectos, de perspectivas e de formação.

(…)De repente, vira-se a página e passaram 52 anos. António recorda vagamente a cidade, o seu antigo local de trabalho, os sons que já não se ouvem… mas o que evoca com mais nitidez é o Senhor Soares, que tão mal conhecera e que afinal tanto o marcara. A sua vida é um arco entre a juventude e a velhice. Como na epígrafe de Shelley que abre o livro: «Youth will stand foremost ever» («A juventude permanecerá para sempre, acima de tudo»).

 

 

Emílio Rui Vilar, publicado em 9.9.2008 na secção Recensões Críticas

 

Mário Cláudio — Boa Noite, Senhor Soares. Lisboa: Dom Quixote, 2008”

(excerto retirado por Hopes)

Permalink Deixe um Comentário

Worshop sobre Second Life: introdução ao SL

23 Janeiro 2009 at 10:09 am (Actividades, EVENT, Eventos, second life) (, , , , )

Tal como anunciado aqui, nos próximos sábados dia 24, 31 e 7 de Fevereiro SL e RL encontram-se  na Biblioteca Municipal de Cascais / S. Domingos de Rana, iniciativa da ACCV e da C.M. Cascais.

Para interessados, iniciados do Second Life… começa às 15h com conferência e depois um workshop de sensibilização sobre  SL.. formação desde o registo a aspectos do dia a dia inworld.

No mesmo espaço encontra-se a exposição de pintura de Joaquim Carvalho,”Um olhar sobre a Mensagem de Fernando Pessoa”.

Para quem não conhece a Biblioteca… a morada é Rua das Travessas, Tires. (Freguesia de S.Domingos de Rana, Concelho de Cascais).

Podem tentar ver o mapa para se situarem e clicar nele para abrir o mapa :=)… B indica a Rua das Travessas onde se situa a Bilioteca… )

Google Maps - Rua das Travessas

Google Maps – Rua das Travessas

Ver mapa maior

Permalink 2 comentários

“Um olhar sobre a mensagem de Fernando Pessoa” em Cascais

9 Janeiro 2009 at 3:53 pm (Eventos) (, , , , , , )

cartaz CASCAIS

A Comunidade Cultural Virtual e a Biblioteca Municipal de S. Domingos de Rana (C.M. Cascais) apresentam a partir do próximo dia 16 de Janeiro, sexta-feira, às 18h00, uma exposição inovadora sobre a obra “Mensagem” de Fernando Pessoa, intitulada “Um Olhar”. Ao vivo e na plataforma virtual “Second Life”, esta mostra levará à grande comunidade virtual a obra do grande poeta português acompanhada por pinturas de Joaquim Carvalho.

Desenvolvida pela Câmara Municipal de Cascais, em parceria com a Comunidade Cultural e Virtual (CCV), esta exposição factual e virtual integra poemas da Mensagem de Fernando Pessoa (em português e inglês dada a natureza internacional da plataforma virtual Second Life) ilustrados pelas pinturas de Joaquim Carvalho.

No decorrer da mostra está prevista a realização de uma palestra sobre o poeta que será transmitida online desde o Auditório da Biblioteca de S. Domingos de Rana para o mundo do Second Life. Para além do âmbito cultural, os visitantes podem ainda aceder a informações quer sobre Fernando Pessoa, quer sobre o Concelho de Cascais.

No mundo real, a exposição patente na Biblioteca de S. Domingos de Rana contará ainda com sessões de esclarecimento sobre a plataforma Second Life durante o período em que a exposição estiver patente.

Sendo 2009 o Ano Europeu da Inovação e da Criatividade, Cascais oferece a todos uma oportunidade de conhecer Fernando Pessoa, um ícone da cultura portuguesa, unindo os mundos real e virtual e projectando o conhecimento através de uma plataforma que atinge milhares de pessoas em todo o mundo.

Programação:

Em Second Life (acessível a utilizadores desta aplicação informática. Quem não dispõe desta plataforma pode consultar informações em http://secondlife.com):

  • 16 de Janeiro | 22h00-22h45 – Reprodução da peça “O marinheiro”, da compositora Clotilde Rosa
  • 17 de Janeiro | 22h00-22h45 – Actuação de João Frazão [TB Andel em Second Life] em cavaquinho – Música tradicional portuguesa [joaofrazao.net]
  • 31 de Janeiro | 22h00-22h45 – Actuação de Rui Gaio [Peltzer Hirano em Second Life] Música portuguesa [www.myspace.com/peltzerr]

Na Biblioteca S. Domingos de Rana:

  • 7 de Fevereiro | 15h15-16h00 – Palestra de Manuela Nogueira [sobrinha de Fernando Pessoa]. Transmissão em tempo real para o Second Life;
  • 17, 24, 31 de Janeiro e 7 de Fevereiro | 16h00-18h00 – Formação em Second Life com membros de apoio;
  • 17 e 31 de Janeiro | 15h15-16h00 – Palestras sobre a plataforma Second Life.

Biblioteca Municipal de Cascais – S. Domingos de Rana

Rua das Travessas | Massapés |Tires |S. Domingos de Rana |

Mais informações aqui.

Permalink 1 Comentário

Apresentação de “Olympus: A Profecia do Grande Espírito” no Second Life

14 Dezembro 2008 at 5:36 am (AMIGOS, ARTIST, EVENT, Eventos, Notícias) (, )

Update: Podem ver aqui o vídeo da festa e a opinião do autor aqui.

“Decorrerá no domingo dia 14 de Dezembro às 22h, naAlma Portuguesa no Second Life, a apresentação do livro Olympus: A Profecia do Grande Espírito.

Convido-vos a partilhar comigo este momento – este livro foi, afinal, escrito para vós.

Clique na imagem da capa do livro (ou em alternativa, clique aqui) para transferir a brochura de apresentação de “Olympus: A Profecia do Grande Espírito”elaborada por Afrodite Ewry.”

É um convite feito pelo CCV e pelo autor, Rui Diniz

rd@ruidiniz.net

 

cartaz_olympus3

Olympus: A Profecia do Grande Espírito

Uma Profecia que jaz no trilho da civilização, preparada há milénios por uma classe oculta de misteriosos e auto-proclamados “Deuses”, é revelada a um Professor da Universidade de Halmos, após ingerir uma substância misteriosa, contida num frasco que herdou. A Profecia define os caminhos de um trio de homens escolhidos, de forma a fazê-los convergir no Monte Olympus, na Terra. Nem tudo, no entanto, poderá correr como profetizado… especialmente quando outras forças desejam manipular a Profecia para canalizar o seu poder…

Rui Diniz proporciona-nos uma narrativa cujo movimento alterna frequentemente o ponto de vista e é continuamente acompanhado por uma peculiar análise psico-filosófica. O estilo estético – entre os toques poéticos, os momentos frenéticos de acção e a descrição narrativa – compõe-se de uma grande variedade de cores e texturas, enriquecido ainda por um ambiente empolgante, propício a reviravoltas, que flui para um final surpreendente e emocionante. “Olympus: A Profecia do Grande Espírito” é o terço inicial de uma trilogia que promete conquistar um lugar muito próprio na estante do género.

Lembra-se da última vez que um livro o fez pensar por si?

Permalink Deixe um Comentário